Google+ Followers

quarta-feira, 2 de novembro de 2016

O período visigótico



  



Durante o período da dominação romana a permanência dos judeus na Península Ibérica foi relativamente tranquila e reinou a paz entre aqueles que professavam ritos pagãos e os que temiam ao Deus de Israel. O Império Romano começou a cair em 410, quando Alarico, comandando um considerável contingente de visigodos, invadiu e saqueou a capital.



Invasão da Europa pelos Hunos, que obrigou os Godos a migrarem para o oeste. Estes se dividiram em Ostrogodos (no leste) e Visigodos (no oeste).


Em 476 houve a queda definitiva do Império Romano, com sucessivas invasões de hordas bárbaras de visigodos, suevos e vândalos. Os visigodos dominaram toda a região central, sul, oeste e leste da Hispania. Os suevos permaneceram no norte e os vândalos atravessaram o Estreito de Gibraltar e se estabeleceram no norte da África.



Rômulo Augustulo (o último imperador de Roma) abdica à coroa para Odoacro


Os grandes grupos bárbaros e suas rotas de migrações para o oeste.



Rotas dos Visigodos e Vândalos


Extensão do reino visigótico no V século d.C.





As hordas visigodas, já então cristianizadas, professavam o arianismo adquirido ainda quando estavam estacionadas no leste europeu. Os visigodos, mesmo sendo bárbaros, aplicavam as leis romanas. Mas o cristianismo romano, não ariano, passou a exercer, cada vez mais, uma influência predominante sobre a população ibérica. Os cristãos passaram a se sentir incomodados com a importância política, social, cultural e econômica da população judaica. Em 587 a.D., sob o reinado de Recaredo, as comunidades judaicas passam a ser completamente dominadas e se inicia uma época de perseguições, isolamento e expulsões. Foi nessa época que surgiram as primeiras aljamas e juderías das cidades espanholas, onde havia grandes assentamentos judeus.

A influência ibérica da comunidade judaica havia sido de tal ordem que, no século IV, foi realizado um concílio em Elvira, localidade próxima ao antigo povoado romano de Ilíberis, onde foram editadas leis antijudaicas, como a proibição do casamento com judeus e até mesmo a proibição de sentar-se à mesma mesa com judeus.

Sob o domínio dos reis arianos (cristãos, mas não católicos), como Teodorico II, Eurico e Atanagildo, os judeus puderam usufruir de um período de paz e tranquilidade na Ibéria. Leovigildo foi um guerreiro hábil e grande líder. Teve dois filhos: Hermenegildo e Recaredo. O primeiro converteu-se ao catolicismo, aconselhado por seu tio, Leandro de Sevilha, e foi decapitado por ordem de seu pai em 585. Leovigildo morreu em 585 e Recaredo assumiu o trono.

Por ocasião do III Concílio de Toledo, em 587, Recaredo I abandonou o arianismo e adotou a fé católica como religião, ao mesmo tempo em que decretava esta a religião do estado. Seus sucessores foram cruéis perseguidores de judeus e arianos. No início, os judeus se recusaram a adotar o catolicismo, o que foi interpretado como uma afronta intolerável para a autoridade do estado e do clero católico. Recaredo proibiu a circuncisão, a celebração da Páscoa, o matrimônio que não fosse cristão e os mestres somente poderiam ser cristãos. O rei Sisebuto, em 613, estabeleceu leis que obrigavam os judeus a converter-se ao catolicismo. Surgiu assim, pela primeira vez, a figura dos cristãos-novos, tipo de novatos que deviam ser integrados plenamente à sociedade. Nesse período, alguns judeus decidiram abandonar a Península Ibérica, rumando para a África do Norte, através do Estreito de Gibraltar. Os que ficaram não conseguiram viver em paz.


Conversão de Recaredo I. Antonio Muñoz. Óleo sobre tela.


Após o concílio de Égira (702), e sob o reinado de Witiza (710) e Rodrigo (711), a situação dos judeus foi piorando, quando passaram a sofrer acusações de conspiração contra a coroa, tiveram seus bens confiscados e foram afastados de seus filhos, para que eles fossem educados como cristãos.


Reis visigóticos. Iluminura do Códice Albeldende (976 do Escorial). 
Scriptorium do Mosteiro de San Martín de Albelda.


Isso só terminou em 711 com a invasão muçulmana, com as tropas islâmicas comandadas por Tariq Ibn Musa, numa operação rápida e eficiente. 

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário